20 de fevereiro de 2018

O Jardim das Borboletas - Dot Hutchison

Livro: O Jardim das Borboletas
The Collector #1
Autor (a): Dot Hutchison
Número de Páginas: 304
Editora: Planeta de Livros
Compre aqui.

Sinopse: uando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro. Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas... e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente. Quando o jardim é finalmente descoberto, uma das sobreviventes é levada às autoridades, a fim de prestar seu depoimento. A tarefa de juntar as peças desse complexo quebra-cabeça cabe aos agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, nesse que se tornará o mais chocante e perturbador caso de suas vidas. Mas Maya, a enigmática garota responsável por contar essa história, não parece disposta a esclarecer todos os sórdidos detalhes de sua experiência. Em meio a velhos ressentimentos, novos traumas e o terrível relato sobre um homem obcecado pela beleza, os agentes ficam com a sensação de que ela esconde algum grande segredo.

RESENHA por Katielle Borba.

Oi, pessoal!

A resenha de hoje é do livro O Jardim das Borboletas de Dot Hutchison e publicação da Editora Planeta. Este é o primeiro volume da trilogia The Collector.

Nem sei como escrever algo sobre O Jardim das Borboletas, acabei de finalizar a leitura e ainda me sinto perturbada com tudo o que li. No livro temos a história de um lindo jardim e suas encantadoras borboletas. O jardim fica em uma área nobre e sabemos que o seu dono só pode ser uma pessoa rica. Nada disso seria estranho se as borboletas que enfeitam aquele lugar não fossem garotas sequestradas e marcadas por esse odioso homem. E quando eu digo marcadas, é em todos os lugares: no corpo, no coração e na alma. Se alguém saísse dali com vida jamais seria a mesma pessoa.

A narrativa do livro é bem lenta, mas é impossível desgrudar os olhos das páginas. O que é contado ali é tão doentio e nojento que eu queria saber mais, queria saber quando e como os responsáveis seriam punidos. A história toda é praticamente contada pela Maya, uma das sobreviventes do jardim; através de sua narrativa podemos conhecer todas as nuances e barbaridades do que acontecia dentro daquelas paredes.

Maya é misteriosa e parece que tudo que sai de sua boca tem outro significado. Ela conta as coisas, mas na realidade não revela nada. Parece que sempre dá voltas e o rumo da sua narrativa vai para onde ela quiser e não onde os investigadores querem. Cada coisa contada é doentia, de revirar o estômago. É difícil imaginar que o ser humano possa ser capaz de tanta crueldade, tanta maldade e ainda achar que está fazendo o bem.

Apesar de ter gostado da história eu esperava que fosse diferente. Por mais que a trama seja instigante também é cansativa. Acredito que a maneira como a autora construiu a história não foi a certa. Apesar da Maya passar pelo que passou, ela é uma personagem que não nos conquista, parece que guarda um grande segredo, mas o final da história foi bem decepcionante. Eu li o tempo inteiro achando que iria acontecer alguma coisa muito reveladora, mas não foi bem assim.

O livro nos apresenta muitos outros personagens. Conhecemos algumas das meninas que moram no jardim, podemos sentir o desespero delas através das páginas e isso foi muito triste. Também conhecemos o Jardineiro, o homem que dá “vida” a tudo isso. Nem preciso dizer que tenho nojo e horror desse homem, sinto ódio no coração quando lembro, pois não é possível, não entra na minha cabeça que ele fazia tudo aquilo porque sentia amor. Outra coisa que me deixou bastante revoltada é o fato de que algumas pessoas poderiam ajudar as meninas, mas não o faziam, eram tão doentios quanto o Jardineiro.

A edição da Editora Planeta está perfeita. Livro lindo, em capa dura e todo trabalhado em borboletas, amei!

Espero que os próximos livros da trilogia não demorem a sair, pois estou bem curiosa para as próximas tramas da autora. Espero que a construção seja diferente deste, pois algumas coisas me incomodaram na maneira como a autora conduziu a história; queria poder expressar melhor, mas se eu continuar falando será spoiler.

Leitura recomendada.

The Collector:
01. O Jardim das Borboletas;
02. Roses Of May;
03. The Summer Children.

Outras capas: 

   




Nenhum comentário

Postar um comentário